Lasanha vegetariana

Adoro lasanha, mas não lido com presunto e dispenso bolonhesa. Desde sempre, meu ideal de lasanha é sem esses ingredientes. Quando mais nova, pedindo pra mamai substituir por peito de peru e molho ao sugo. Hoje, experimentando novas ideias de “recheio”, cheguei numa receita que amo e que tem agradado meus queridos.
Quando encontro, compro a massa pronta (aquela seca, direto ao forno) verde. Fica mais legal. Mas nem sempre tem no supermercado, então vai a normal mesmo.
O segredo, pra mim, está no molho: branco de espinafre. BEM fácil e nutritivo. Cozinho um maço grande de espinafre conforme expliquei no post anterior e pico bem picadinho, reservo. Na própria panela, coloco uma colher de margarina ou manteiga, refogo uma cebola grande picadinha e volto o espinafre já cozido e picadinho. À parte, misturo uma colher bem cheia de farinha de trigo ou maizena num copo de leite (uso desnatado), despejo no refogado e vou acrescentando leite (quase um litro), sempre mexendo. Não sei medidas exatas, vou vendo se engrossa ou fica líquido demais e aumentando a farinha ou o leite se necessário. Tempero com sal, noz moscada, uma colher de requeijão e um pouquinho de fondor, se tiver. Depois de conseguir a consistência de molho (nem aguado, nem grosso demais), desligo e acrescento uma caixinha pequena de creme de leite, testo o sal e pronto.
Para a montagem, ralo duas cenouras, pico uma xícara de azeitonas, um vidro de palmito e uma xícara de queijo branco.
Num refratário médio, coloco um fio de azeite, uma concha do molho branco, uma camada de massa, cubro com molho, cenoura e muçarela. Coloco massa, molho, palmito e muçarela. Mais uma camada: massa, molho, queijo branco, azeitonas e muçarela. Finalizo com a massa, molho e parmesão ralado.
Cerca de 40 minutos ao forno, coberta com papel alumínio, mais 10 minutos sem papel para gratinar. Cada forno é um forno, então a dica é acompanhar pra conhecer o tempo do seu.
Fica muuuito delícia, saudável apesar dos queijos, com um crocante gostosinho da cenoura ralada e com um colorido lindo.

 

 

A foto não favorece, mas garanto: essa lasanha é puro amor ❤

Anúncios

Mágica com espinafre

Aquele momento em que esse tantão de folha vira esse cadjim de espinafre cozido.
Sabe como cozinhar espinafre sem perder nadinha dos nutrientes? Mamai que me ensinou: coloca as folhas limpinhas numa panela e só. Nada de água. Ele cozinha na própria água que solta, quase que no vapor.

A sobremesa mais fácil da cidade

brigadeirãoNão faço sobremesa todo dia, nem toda semana. Talvez doces nem sejam o meu forte na cozinha (a ver). Mas refeições especiais merecem. Ocasiões especiais merecem.

Porém, quando você marca um jantar numa quinta-feira com suas colegas (de auditórioam) de trabalho, o tempo  joga contra, mas a necessidade de sobremesa (puro amor para as visitas) grita!

Aí o jeito é lembrar da receita delícia e MEGA fácil da mamai: brigadeirão DE MICRO-ONDAS. Sim, de micro-ondas. Logo eu, que não cozinho NADA nele. Mas sério, fica super gostoso e ninguém sabe até que você conte que assim foi feito.

Originalmente, fazia tudo no liquidificador. Como o meu, véinho, quebrou na semana passada, testei na batedeira. E não só deu super certo como ainda conferiu uma cremosidade extra ao brigadeirão, textura quase de mousse, muuuito <3.

Assim ó: bato três ovos. Acrescento todos os demais ingredientes e bato junto: 1 lata de leite condensado, 2 caixinhas (daquela pequena) de creme de leite, 1 xícara de chololate em pó (caixinha vermelha, do padre, sabe qual?), 3 colheres (sopa) de açúcar e 1 colher (sopa) de margarina. Tchanan, eis o bichinho prontinho!

Única coisa é que a receita demanda uma forma própria para micro-ondas, mas é bem fácil de achar e baratinho. Unto bem com margarina, despejo todo o conteúdo da batedeira e deixo de 7 a 8 minutos no micro-ondas (depende do seu modelo, da potência etc. ou seja, nada como fazer de pouco em pouco e ir testando, olhando…). Pra saber se tá bom, o velho truque de colocar um palito de dente e torcer pra ele sair limpinho.

Antes de levar pra geladeira, segura a ansiedade e espera o bichinho esfriar. Quando estiver bem geladinho, pode desenformar (eu normalmente faço um dia antes) e colocar granulados mil.

 

Sobremesa com sabor de comida de mãe ❤ é muito confundível com amor

Risoto é sempre amor!

Acho risoto um dos pratos mais ❤ do mundo. Não sei se porque é quentinho + cremosinho, ou por causa das infinitas possibilidades de sabores.

Talvez seja porque o preparo dele requer aquele cuidado especial, dedicação ao cozinhar, nada de jogar tudo num recipiente e largar lá. O que não significa trabalho. Apenas carinho extra. Fora que fazer risoto a quatro mãos é bem mais legal e <3.

Recentemente, experimentamos em casa uma combinação que tem tudo a ver com noites frias and românticas: risoto de pinhão.

Primeiro, precisa cozinhar o pinhão. Só ele (cerca de 150g, pra um risoto que sirva bem duas pessoas) e água, numa panela de pressão, cerca de 30/40 minutos depois que a panela começar a chiar. Deixo esfriar, descasco e pico.

Depois, coloco água pra aquecer numa panela grande e acrescento dois caldos de carne (usei prontinho, mas óbvio que o melhor é o caseiro). Esse caldo é o que vai servir para o cozimento do risoto, por isso mesmo depois de começar a borbulhar eu mantenho no fogo (baixo), pra ficar sempre quentinho.

Numa outra panela, coloco uma colher de manteiga + um fio de azeite (um ajuda a não queimar o outro) e refogo uma cebola bem picadinha. Acrescento quase todo o pinhão, só deixando um pouquinho pra acrescentar no final e garantir a crocância. E então um copo de arroz arbóreo e dou uma fritadinha. Aí, é hora de adicionar meio copo de vinho branco seco. Assim que ele evaporar, pode começar o cozimento do risoto, acrescentando aos poucos o caldo aquecido e sempre mexendo, até chegar ao ponto de risoto.

Acho difícil saber o ponto do arroz só de olhar. Provavelmente, chefs sabem. Eu só aspiro a ser cozinheira de mão cheia e, enquanto treino, meu jeitinho é: pego um pouquinho e experimento. Tem de estar cozido, sem resíduo ‘farinhento’ na boca; mas al dente, não molegato. É fácil, mesmo. Nessas provas, dá pra saber também se já está bom de sal (por causa do caldo) ou se será necessário acrescentar um pouquinho. Só não pode esquecer que o parmesão em seguida é salgado.

Pode, então, desligar o fogo, adicionar uma colher (sopa) cheia de manteiga, 100g de parmesão ralado (melhor fresco, pacotinho aqui não rola muito não) e mexer vigorosamente pra dar a cremosidade e o brilho. Acrescento o pouquinho de pinhão que deixei reservado e, tchanan, temos amor pra servir!

risoto pinhão

Sempre confundo risoto com amor

 

Almoço de domingo

Comida caseira é só amor. Pra ser boa, precisa ter sabor e boa apresentação e, principalmente, ser feita com carinho. Por isso almoço de domingo é tão bom. Porque permite esse tempinho extra de dedicação pra que a mais simples das refeições se transforme num banquete de <3.

Macarrão caseiro (de Poços de Caldas/MG), molho de tomate com toque de azeitona da Barilla temperado com minha pimentinha moída na hora e manjericão fresco e parmesão ralado grosso.
Bifinho de mignon temperado só com sal de vinho, grelhado com um fio de azeite na anti-aderente.
Vinho e saladinha de palmito acompanham.

Temperaí

Pra mim, tempero é inspiração. E também serve pra dosar sentimento à comida.
Nada elaborado, nada complexo. Um simples verdinho já faz sua função de personalizar um prato.
Hoje usei três deles:
– sal de vinho, que ganhei de presente vindo do sul da França. Bem bom pra temperar carne vermelha, usei só eles sobre os bifinhos de mignon e o sabor ficou marcante na medida, com uma cor linda.
– pimenta italiana, que também ganhei de presente vinda de Roma. Não sou a melhor amiga dos apimentados e, como fui alertada do ardor dessa, segui uma dica do meu irmão: coloquei no moedor de sal grosso, misturando partes iguais dela e dele. Fica perfeito! Usei no molho de tomate.
– manjericão fresco, da hortinha de casa. Sim, até uma pessoa como eu, que trabalha fora, não tem empregada e mora em apartamento pequeno pode (eu diria deve, mas looonge de mim ditar regras) ter um espacinho pra cultivar verde. Faz bem pra cabeça e pro paladar. Fresco é bem mais gostoso.

Esses presentes-delícia-europeus comprovam: não precisa ser fino, basta se cercar de gente fina

pizza!

Nem só de cozinhar vive uma pessoa apaixonada por comida. Algumas coisas são beeem mais legais de comer quando feitas por quem entende. Comer fora também é bem <3.
Ontem foi dia de pizza com direito a sabor novo.
Quem acha que abobrinha em fatias bem finas e al dente, parmesão ralado e poleguinho, sobre uma massa fina e crocante, é uma combinação perfeita? Foi amor à primeira vista.