Altamente confundível

Pão australiano da padaria, quentinho da torradeira, com manteiga. E ta td bem agora.

Anúncios

Receita da dra. Mishy: mousse me-engana-que-eu-gosto

 

Meu bloguinho tá tão legal e cheio de leitor legal que agora tem até colaboradora. Acreditam?

Pois é, a dra. Mishy, super amante da comida e gente como a gente, é adepta da alimentação saudável e vai contribuir com dicas mara por aqui. E a receita de hoje é o (ou a? nunca saberemos) mousse me-engana-que-eu-gosto. Bora?

mousse avocado

Eu chamo essa mousse de me engana que eu gosto porque leva um tempo pra descobrir o ingrediente secreto: o avocado!!! Essa receita nao é nem de longe diet ou de baixa caloria, mas é uma alternativa mais saudável pro nosso amado mousse de chocolate e dá pra anestesiar a lombriga por um tempo!!!
Ingredientes:
1 avocado (o primo nanico do abacate) bem maduro
3 colheres (sopa) de cacau em pó
2 colheres (sopa) de leite (pode usar de vaca desnatado; pra versões sem lactose o leite de amendoa é meu favorito; mas tb fica bom com leite de coco)
Adoçante natural a gosto (2 pacotes de stevia ou 2 colheres de mel)

É só bater no liquidificador até a consistência de creme e servir em taças com frutas picadas. 
Dica: não conta que tem avocado e deixa o povo adivinhar!!!

 

Gente, demais né?! Eu super vou confundir avocado com amor e passar hoje no supermercado pra comprar.

Quem curtiu? ❤ dotôra, a gente amou!

 

 

Torta de cenoura e alho poró (sem farinha!)

Hoje recebi duas amigas pra uma visita à minha casinha nova e quis fazer um almoço simples e leve, pro calor desnecessário em pleno inverno que tivemos nesse fim de semana.

Fazia tempo que estava de olho nessa torta de cenoura e alho poró do The Gourmet Tea, cuja receita foi publicada no amado blog Gastrolândia. Passei no supermercado e encontrei um alho poró orgânico lindo e gigante. Então, cheguei em casa ontem do trabalho e decidi: mãos a obra.

Primeiro, precisa pré-aquecer o forno em 180º.

Eu começo pelo recheio, porque ele precisa estar frio pra ir pra torta.

Coloco um pouco de azeite numa panela e refogo um alho-poró generoso (amo!) e cinco (sim!) cenouras raladas. Senhor: haja braço! Eu não tenho processador, então ‘cês imaginam o exercício que foi em plena sexta-feira à noite (vida social bombando, sqn). Na receita original também vai bastante salsinha nesse refogado, mas eu ainda não sou a melhor amiga dela. Então, botei só umas par de folhinha da minha horta (morro de orgulho de falar “minha horta”, relevem). Deixa isso esfriar e acrescenta 1 xícara (chá) de queijo gruyère ralado. Como a proposta dessa torta é ser bem leve e saudável, a própria receita indica substituir por por queijo branco ou creme de ricota. Usei queijo minas frescal ralado e achei que deu super certo. Depois vcs me contam como fica com o gruyère, please?

À parte, bate no liquidificador (pra vcs que são normais e têm liquidificador em casa; eu usei aquele batedor manual que chama fouet – se pronuncia fuê, pra fazer a fina, ok?): 1 xícara (chá) de leite desnatado, 2 ovos, noz-moscada, sal e pimenta-do-reino a gosto.

Pra massa, é só misturar 300g de flocos de aveia (aquele fino, sabe?), 1 ovo e 70g de manteiga sem sal, até dar liga (com as mãos mesmo, tá?). Unta uma forma (eu usei a de fundo removível, acho bem mais fofo servir desenformada num prato bonito, vcs não?) com um pouco de azeite e forra a bendita com a massa de aveia. Leva ao forno pré-aquecido por cinco a dez minutinhos e reserva.

Vamos pra montagem: sobre a massa pré-assada, coloco o refogadão de legumes e essa mistura líquida sobre tudo.

Na receita original, falava-se em 30 minutos de forno ou até dourar. Em casa, foi quase uma hora até ‘secar’ esse líquido. Por isso, vale a máxima: precisa conhecer seu próprio forno, e não tem outro jeito se não olhando, testando, enfiando palitos e olhando de novo.

torta cenoura

Ando na mania do gergelim. Aprendi que ele traz muitos benefícios à saúde e fiquei com dó de ele ser tão restrito a pães de fast food e afins. Tenho usado sempre nas minhas receitas. Muito cálcio, muitas fibras, proteína, gordura do bem. Tinha em casa o branco e o preto, então quis incrementar a torta (que dividi em duas formas, mas é uma receita só) e achei que, além de nutritivo, ficou fofo ❤

O primeiro cheesecake a gente nunca esquece

Hoje eu resolvi confundir receita nova com amor, experimentando fazer meu primeiro cheesecake. E não é que foi amor à primeira tentativa?

Amo cheesecake, mas nunca tinha feito. Não sei pq. Só sei que gamei nessa receita do cream cheese Philadelphia (mas, como sempre, adaptei pro meu gosto e pra minha realidade), corri no supermercado comprar tudo que não tinha em casa e eis-me aqui admirando o resultado (ainda muuuito passível de melhorias), toda orgulhosa ❤

geleiaPrimeiro, a geléia pra cobertura. Sim, fiz minha própria geléia de morango e, uau, que delícia. Eu tinha uma caixa de morangos congelados e levei eles ao fogo direto, sem descongelar, com uma xícara (chá) de açúcar (na próxima vez, vou tentar com menos açúcar, se vc tentar me conta o resultado, please) e suco de meio limão. Vai demorar, mas isso vai, sim, virar uma geléia. Tudo que você precisa ter: paciência. Tudo que você precisa fazer: mexer cuidadosamente, de vez em quandinho, pra não fazer lambança no fogão. Quando tiver bem grossa, com os morangos desfeitos, tá bom. Reserva pq vc vai precisar usar ela fria.

 

massa

Aí vamos pra massa: um pacote de bolacha maizena triturada (eu fiz na mão, mas originalmente deve-se triturar no liquidificador ou processador), 3 colheres (sopa) de manteiga sem sal derretida (15 segundinhos no micro-ondas) e uma colher (chá) de canela. Mistura até formar uma farofa e forra uma forma de aro removível (nessa receita acho ela fundamental, o cheesecake fica muuuito mais ❤ se desenformado). Leva ao forno por 5 a 10 minutinhos, só pra dar uma pré-assada nela. Deixa ela ali num cantinho.

 

Então vamos pro cheeeese: na batedeira, mistura 600g de cream cheese (usei light Polenghi, pq tarra na promoção – sou dessas) com uma xícara (chá) de açúcar e 3 ovos. Nessa parte eu tb mudaria uma coisa: bateria primeiro os ovos, pra aumentar bem o volume, e depois acrescentaria os demais. Achei que meu cheesecake ficou meio baixinho, meio tímido; poderia ter ficado mais altão. Enfim. À parte, levo ao fogo 1 xícara (chá) e meia de creme de leite fresco (sim, gente, tem que ser o fresco pra ir ao fogo tranquilamente) e uma barra (170g) de chocolate branco (usei Laka, nham!) picado. Mistura até o chocolate derreter e pronto. Mistura o conteúdo da panela com o conteúdo da batedeira e temos o recheião delícia.

Vamos montar? Pega a forma com a massinha pré-assada, despeja o recheio todo e leva ao forno (que já tava pré-aquecido quando a gente colocou a massa antes, lembra? eu nem desligo justamente pra isso) em 180-200 graus, marromenos, por 50 minutos. Aí você deixa esfriar um pouco, leva à geladeira por 3 horas marromenos, desenforma e coloca a geléia por cima.

x1 x2

Se alguém tiver uma receira diferentona de cheesecake ou se fizer esta, me conta? Eu confudirei fácil com amor.

 

Risoto de camarão e limão siciliano

Nham! Fiz um dos meus risotos preferidos pra receber uma das minhas pessoas preferidas da vida: minha amiga-irmã de infância (sim, a gente é amiga desde os 4 anos, pensa?!). É o de camarão com limão siciliano.

Como era pra um jantar no meio da semana, nao rolava exagerar. Era pra ser um jantarzinho e só. Então, fiz uma xícara (cheia) de arroz arbóreo. O processo é o mesmo que uso sempre, mas vou relembrar aqui (com esse detalhe de que foi uma porção pequena, para duas pessoas, sem repetições e gordices sem fim).

Começo colocando um litro de água para esquentar, neste caso com um caldo de legumes. Ele será o caldo do cozimento do nosso arroz.

Compro um saquinho de camarão limpo e cozido, congelado, que custa super baratinho. Nem sei quanto peso tem, mas é pouco, tipo, enche um bowl (daqueles de cereal, sabe?) e só. Então, na panela em que farei o risoto coloco um pouco de azeite, deixo esquentar bem e dou um sustinho nos camarões. É só pra grelhar e tirar. Reservo ele e começo o passo-a-passo básico do risoto: meia cebola pequena picadinha, refoga; uma xícara de arroz arbóreo, refoga; meia xícara de vinho branco, evapora o álcool. E começamos a acrescentar o caldo (que tá quentinho lá na outra panela, lembra?) aos poucos, sempre mexendo o arroz para cozinhá-lo por igual.

Quando ele estiver no ponto (= cozido, mas durinho, sem ser farinhento) e sem caldo (nada de arroz boiando na água, só aquela cremosidade <3), volto os camarões grelhadinhos, uma colher (generosa) de manteiga, uns 100g de parmesão e mexo bem. Desligo e acrescento um pouquinho (tipo uma, duas colheres) de suco de limão siciliano e raspas dele. Perfume maravilhoso invade a cozinha e, tchanan, temos um jantar à altura da convidada, o puro abraço interno <3.

 

SavedPicture-2014822151641.jpg

 

PS: Esse da foto é de uma outra vez que fiz, que inclui palmito (tão bom quanto).

É que no jantar desta terça não rolou tempo pra foto, só pra conversas e risadas e amô!

Torta de cebola

Tem uma receita de torta de cebola que super impressiona, pelo sabor e apresentação, mas que dá zero trabalho. Desde que a vi no Paladar, do Estadão, faço com relativa frequência e, ó, sucessinho garantido. É legal pra servir quando vai receber uma visita, ou quando vai visitar alguém. Mas é uma opção boa de jantar, acompanhada de saladinha de folhas. Quem curte? ❤
É legal fazer numa forma de fundo removível, pq td que é bonito merece ser mostrado e essa torta é assim, todatoda exibida. Passa até por comprada pronta numa dessas casas bacanas, pode enganar seus convidados que eles cairão, rysos.

Primeiro, a massa: 100 gramas de manteiga, 1 xícara e meia de farinha de trigo (às vezes, uso metade integral e funciona bem) e duas colheres de sal. Mistura bem com a mão, até soltar dos dedos. A orientação original era de abrir com rolo e depois colocar na forma. Eu não tinha nem espaço, nem rolo, então comecei fazendo assim e tornei como padrão: pedacinho por pedacinho, moldando na forma, tipo quebra-cabeça. Tem que fazer o fundo e a lateral, ok?

Pro recheio, mais fácil ainda: precisa fatiar em rodelas finas três cebolonas grandes (ou umas cinco normais) e refogar num pouquinho de azeite, deixando-as bem transparentes, macias, mas não douradas. No liquidificador, bato três ovos com uma lata de creme de leite, sal e pimenta do reino a gosto.

Aí vamos pra forma que já está toda forradinha de massa, acomodo a cebola refogada em toda a área e despejo o líquido do liquidificador. Por cima, 100 gramas de parmesão e prontinho.
Uns 30 minutos de forno, ou até dourar.
Fica com aquela textura boa de quiche, bem leve e saborosa.

Torta ❤